vertigem e tontura

Dra. Cristiana B. Pereira


home
labirinto: estrutura
labirinto: função
principais doenças
VPPB
vertigem fóbica
neurite vestibular
Doença de Ménière
vertigem e enxaqueca
vestibulopatia bilateral
fístula perilinfática
contato neurovascular
cinetose
material didático
bibliografia
currículo
contato


Paroxismia vestibular ou contato neurovascular

A paroxismia vestibular foi denominada inicialmente de vertigem posicional incapacitante (“disabling positional vertigo”). É uma manifestação rara e acomete apenas cerca de 2% dos pacientes atendidos em ambulatório especializado.

Nesta doença há um contato entre uma das artérias (a. cerebelar antero-posterior, a. vertebral, a. cerebelar póstero-inferior, a. basilar), com o nervo vestibular. Este contato leva a episódios de vertigem rotatória de curta duração. Pode ocorrer zumbido, associado a vertigem. Estes episódios podem ocorrer até inúmeras vezes por dia, na maioria das vezes desencadeados por movimentos da cebeça.

O diagnóstico é sugerido pelo quadro clínico e pela presença de nistagmo de provocação, ou seja, desencadeado pela movimentação da cabeça. Deve-se diferenciar a paroxismia vestibular de  outras situações, em especial da vertigem de posicionamento paroxística benigna, através do exame clínico. Em alguns casos, a ressonância magnética mostra a alça vascular e o ponto de contato da artéria com o nervo vestibular.

A maioria dos pacientes responde bem ao tratamento clínico com medicações (como a carbamazepina e a gabapentina). O tratamento cirúrgico (descompressão microvascular do VIII nervo) é pouco indicado, mas alguns casos que não apresentam melhora com medicações podem se beneficiar.