vertigem e tontura

Dra. Cristiana B. Pereira


home
labirinto: estrutura
labirinto: função
principais doenças
VPPB
vertigem fóbica
neurite vestibular
Doença de Ménière
vertigem e enxaqueca
vestibulopatia bilateral
fístula perilinfática
contato neurovascular
cinetose
material didático
bibliografia
currículo
contato


Fístula perilinfática

Embora a real incidência seja desconhecida, a fístula perilinfática é um comprometimento raro do labirinto, e acomete aproximadamente 2% dos pacientes em ambulatório especializado.

Os sintomas podem ser vertigem (com sensação de rotação), náusea, desequilíbrio, zumbido e hipoacusia. Todos estes sintomas podem estar associados ou ocorrerem de maneira isolada. O paciente pode ter crises de curta duração (segundos a minutos) desencadeadas por pequenos esforços, como levantar peso, espirrar, tossir, mas em alguns casos os sintomas podem ser prolongados ao longo de dias.

Na fístula perilinfática ocorre um extravasamento da perilinfa para o ouvido médio através da ruptura da membrana da janela oval ou da janela redonda. Esta ruptura, por sua vez, ocorre ou por um mecanismo de "explosão" ou de "implosão".

Figura 1. Mostra ruptura da janela redonda,

com extravasamento da perilinfa para o ouvido médio

O espaço perilinfático pode se comunicar com o espaço liquórico através do ducto coclear. Portanto, nas situações em que há aumento súbito da pressão liquórica pode ocorrer transmissão desta pressão para o espaço perilinfático e consequente "explosão", com ruptura das membranas citadas acima.

O ouvido médio se comunica com as cavidades nasais através da tuba de Eustáquio. Em uma situação como um espirro com nariz tampado há um súbito aumento da pressão nas cavidades nasais e por consequência no ouvido médio. Esta aumento da pressão pode levar a uma "implosão" com ruptura das membranas. Outras situações semelhantes são: manobra de Valsalva, fase de descida em um mergulho autônomo, diminuição de altitude em um avião.

O diagnóstico pode ser estabalecido através de teste clínico; aplica-se uma pequena pressão no ouvido externo e observa-se se há apareciemnto de nistagmo. eventualmente a fístula pode ser identificada em exames de imagem, e em alguns casos pode ser indicada a exploração cirúrgica.

O tratamento inclui repouso para que haja cicatrização da membrana e raramente pode-se indicar a cirurgia para correção da fístula.